Sou psicóloga desde 1997, formada pela FMU. Desde então atuo na área clínica, atendendo crianças, adolescentes e adultos, na área escolar, orientando pais, professores e trabalhando com grupos de alunos e desde 2011 trabalho num programa de capacitação emocional para crianças chamado Amigos do Zippy  (http://www.amigosdozippy.org.br), da ong ASEC. 

Sempre me interessei pelas questões humanas e, depois de formada, me dediquei ao estudo da Abordagem Centrada na Pessoa e é esse o referencial teórico que atuo.

Muitas pessoas me questionam sobre a dificuldade de trabalhar ouvindo problemas. Refleti várias vezes sobre isso e cheguei a conclusão que trabalho como psicóloga porque acredito que quando as pessoas falam sobre suas alegrias ou tristezas, momento bons ou ruins, ou quaisquer outras coisas, estão buscando uma forma mais satisfatória de estar no mundo e se realizar. Então o que eu faço não é só “ouvir problemas”, mas, principalmente,  tento facilitar a descoberta de novos caminhos e de alternativas mais produtivas para o seu crescimento pessoal.

Trabalhar como psicóloga para mim é trilhar um caminho junto com alguém, compartilhar coisas profundas e elementares, me surpreender com a força da vida e sentir que eu posso tentar ajudar as pessoas, estando verdadeiramente próxima a elas.


Sobre o site

Muitas pessoas não sabem de que forma um psicólogo pode ajudá-las e, por mais que os especialistas e os meios de comunicação digam exaustivamente que “psicologia não é só para loucos”, ainda existe muito pré-conceito e desconhecimento. No entanto, é algo que desperta a curiosidade já que trata do íntimo do ser humano.

A proposta deste site é tentar traduzir um pouco a linguagem da psicologia para quem não fala essa língua.  Esclarecer, auxiliar e desmistificar questões relacionadas a este tema.

 

Sobre a Abordagem Centrada na Pessoa

A Abordagem Centrada na Pessoa foi desenvolvida por Carl Rogers e tem como pressuposto básico a Tendência Atualizante que afirma que todo organismo vivo é naturalmente voltado para o crescimento e saúde e que é facilitado se houver um clima de atitudes psicológicas facilitadoras.

Rogers parte do princípio de que a relação de ajuda é também de igualdade. Essa relação vai se estabelecendo entre cliente e psicoterapeuta. Não existe uma premissa que o psicoterapeuta sabe mais e vai dizer ao cliente o que é melhor. Ele busca facilitar o cliente em seu desenvolvimento, auto-conhecimento e as escolhas dos caminhos que o próprio achar melhor.

Segundo Rogers (1940) a Abordagem Centrada na Pessoa "tem como objetivo direto uma maior independência e integração do indivíduo, ao invés de esperar que tais resultados derivem do auxílio dado pelo orientador à solução do problema. O objetivo não é resolver um problema particular, mas auxiliar o indivíduo a crescer, de modo que possa enfrentar o problema presente e os posteriores de uma maneira mais integrada."